Reflexões, dicas e ideias

Este é um espaço para troca de ideias e difusão de conhecimento. Leia, comente e faça sugestões de temas!

Depressão

Ricardo Boechat chama a atenção para a depressão

Renato Russo já dizia que o mal do século é a solidão. Adianto que não apenas a solidão, mas a ansiedade, as paranoias, o pânico e os transtornos de autoimagem poderiam facilmente entrar para essa lista.

BoechatA declaração de Ricardo Boechat de que teve um colapso devido a um surto depressivo agudo espantou a muitos, provavelmente por vir de uma figura pública conhecida.

Entretanto, essas “panes” do sistema nervoso são cada vez mais comuns, pois o estado de alerta constante em que vivemos, as ameaças e cobranças cada vez mais árduas de nossa vida cotidiana suprimem nossa existência ao extremo.

Em pesquisa recente da Universidade da Califórnia e associadas, pesquisadores definem que pessoas que perseguem a felicidade em culturas individualistas como a nossa, tendem a ter resultados negativos, resultando em estados depressivos, sentimento de solidão e pior prospectivo em relação a distúrbios maiores de alteração de humor. Diferente de pessoas que buscam a felicidade e estão inseridas em culturas mais coletivas, como a cultura oriental.

Essa importante e interessante diferença se dá não pela busca da felicidade em si, mas pelo que buscamos como felicidade. Há a tendência, em culturas orientais, a buscar e definir a felicidade em termos de engajamento social, com outros, tornando-se parte de um todo.

O mesmo não acontece nas culturas ocidentais, mais individuais, como a cultura norte-americana e a brasileira.

Essa perspectiva de felicidade enquanto engajamento social pode ser a chave para menos “panes”.

De acordo com o estudo, alcançar a felicidade, e, portanto, menos estresse e menor probabilidade de “efeitos colaterais” como depressão e ansiedade, pode não estar associado ao quanto você a procura, mas ao quanto você se orienta ao bem de algo maior que você mesmo, alimentando sentimentos de generosidade e gratidão, aumentando a sensação de bem-estar.

Não podemos nos iludir de que “os males” do século simplesmente desaparecerão se começarmos a fazer trabalho voluntário, mas pesquisas mostram, concretamente, que se sentir parte ativa de um todo pode efetivamente contribuir para uma melhor saúde psíquica e para o tratamento dos transtornos mencionados no artigo.

Para aqueles que quiserem saber mais sobre o tema de felicidade e cultura, segue o link da pesquisa:

http://eerlab.berkeley.edu/pdf/papers/Ford_etal_inpress_JEPG.pdf

Write a Comment

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Êxtase

Estar em êxtase é se encontrar transportado para fora de si e do mundo sensível. Este estado pode ser gerado por uma exaltação …

neuroplasticidade

Neuroplasticidade

A ideia de colocar nossa intenção em algo e fazer afirmações diárias convergem para a noção de que se temos certeza …

epigenetica

Epigenética

Herdamos traços de nossas famílias de diferentes formas, não apenas na codificação genética. Uma afinidade por música …