Reflexões, dicas e ideias

Este é um espaço para troca de ideias e difusão de conhecimento. Leia, comente e faça sugestões de temas!

bullying

Bullying no trabalho

Vivemos uma situação de crise.

Crise social, crise ética, crise econômica. Com o caos arraigado em nossa cultura, dar conta das pequenas rotinas de trabalho exige foco dobrado.

Relacionar-se com as pessoas sem se deixar tomar por ímpetos de ansiedade exige esforço interno. O campo organizacional recente e as relações ficam sensíveis.

Frequentemente lemos artigos sobre bullying em escolas e com crianças, mas nos esquecemos de que nosso mundo “adulto” sofre com os preconceitos. Um exemplo é o bullying no trabalho.

O bullying, de acordo com o Workplace Bullying Institute, é definido por maus tratos prejudiciais à saúde a uma ou mais pessoas (alvos) por um ou mais autores.

 

Bullying no trabalho, um fato comum nas organizações

É uma conduta abusiva, humilhante ou intimidadora, que inclui interferência no trabalho – sabotagem – e que atrapalha as tarefas profissionais, podendo também ter a forma de abuso verbal.

bullying no trabalho
O processo de bullying é parte de um sistema com dinâmica complexa, muitas vezes velado em atos menores.

 

As pessoas definem os ambientes de trabalho, e por fim todas as pessoas do sistema são responsáveis pela manutenção ou mudança da dinâmica do bullying.

Entretanto, alguns padrões são observados e estar ciente desses padrões é importante para reconhecer e tomar as medidas necessárias.

Padrões que indicam e podem reforçar a existência do bullying nas empresas:

  1. A cultura estabelecida e engessada do pensamento competitivo. O ambiente de trabalho incentiva o extremo da competitividade. Os colaboradores são jogados uns contra os outros em tarefas que apenas um pode vencer. É uma maneira rotineira – porém destrutiva – de arquitetar o modus operandi. As pessoas se atacam para sobreviver.
  2. Incentivo a comportamentos manipuladores. Algumas pessoas ambicionam o crescimento acima da ética, e quando percebem uma oportunidade estão, inclusive, dispostos a prejudicar o outro. Essa ambição, por vezes no mundo corporativo, é bem vista. Entretanto, algumas pessoas têm tendência antissocial elevada e precisam de ajuda, não incentivo às características que delimitam o convívio social saudável.
  3. Feedback positivo ao autor do bullying. Se o autor é promovido, ganha algum tipo de premiação ou simplesmente não tem consequência nenhuma por seu ato, ele recebe a mensagem que suas ações podem continuar, pois não serão contidas ou reprimidas.

Mudanças na rotina de todos devem ser implementadas na organização para que o bullying seja devidamente endereçado.

Nossa cultura organizacional há muito incentiva a ambição a qualquer custo, sem entender que a cooperação e a competição ética atingem resultados melhores e mais duradouros.

Pessoas que praticam bullying custam muito para as organizações. Mesmo assim, convencer executivos e gerentes parece ser o mais difícil.

As pessoas podem alterar seus ambientes de trabalho, mudando a arquitetura de suas ações e a forma de tratar o problema quando ele é exposto.

O desenvolvimento da inteligência emocional pode colaborar para a mudança do sistema, pois nos possibilita novas perspectivas sobre nós mesmos e outros. Um novo modo de estar no mundo nos abre caminhos para lidar com as relações nas quais estamos inseridos.

Write a Comment

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Êxtase

Estar em êxtase é se encontrar transportado para fora de si e do mundo sensível. Este estado pode ser gerado por uma exaltação …

neuroplasticidade

Neuroplasticidade

A ideia de colocar nossa intenção em algo e fazer afirmações diárias convergem para a noção de que se temos certeza …

epigenetica

Epigenética

Herdamos traços de nossas famílias de diferentes formas, não apenas na codificação genética. Uma afinidade por música …