A Síndrome do Pânico e seus sintomas

Como identificar e lidar com um ataque de Síndrome do Pânico

Os sintomas da Síndrome do Pânico chegam de repente e são quase sempre incontroláveis.

A característica principal dos sintomas da Síndrome do Pânico é a forma abrupta e inesperada com que eles aparecem.

A pessoa sente que vai morrer de verdade, que terá um ataque cardíaco, pois seu coração está disparado, tem uma forte sudorese, falta de ar, acha que vai ter uma morte súbita ou outra sensação de algo trágico, como o enlouquecimento.

Sintomas da Síndrome do Pânico
Conhecida na linguagem psiquiátrica como transtorno do pânico, ela é caracterizada por crises inesperadas de medo e desespero.

 

Sintomas

Sintomas podem aparecer inexplicavelmente e começar a tomar conta de alguém em 30 segundos. O ápice da crise é atingido em aproximadamente 10 minutos.

A seguir estão os sintomas mais comuns:

  • Boca seca
  • Tremores
  • Tonturas
  • Taquicardia
  • Falta de ar
  • Mal-estar na barriga ou no peito

 

Quem sofre desta síndrome não consegue ter a menor ideia de quando as crises ocorrerão novamente.

A incerteza e expectativa trazem enorme insegurança fazendo com que, em muitos casos, a pessoa passe a limitar sua qualidade de vida.

O tratamento psiquiátrico é benéfico, já que alivia os sintomas que são terríveis, desesperadores e por vezes, incapacitantes. Mas para a reorganização verdadeira da vida é necessário que a pessoa coloque em questão o que acontece com ela e isso pode ser feito na psicoterapia.

Esses tratamentos são então, na maior parte dos casos, complementares.

 

Conheça algumas dicas que podem auxiliar no momento da crise e também complementar os tratamentos:

  • Nunca se esqueça: a crise incomoda, mas não mata. Os sintomas de pânico são terríveis, desagradáveis, mas não levam à morte. Se você já foi devidamente diagnosticado com esta síndrome, tente ter sempre presente que sensação ruim não significa que alguma doença grave está presente e que da mesma forma que os sintomas começaram, eles vão parar.

Sintomas da Síndrome do Pânico

  • Cuide da respiração: durante as crises a respiração fica muito alterada, o que só piora o quadro. Inspire lentamente pelo nariz, retenha por pouco tempo o ar nos pulmões e exale lentamente pelo nariz. É importante que o tempo que o ar leva para sair, a expiração, dure o dobro do tempo que levou pra entrar. Por exemplo: se você inspirar por 2 segundos, a expiração deve durar 4 segundos. Mantenha essa respiração controlada por 30 a 60 segundos. Treinar antes das crises pode ajudar!
  • Cuide do foco de atenção: procure desviar sua atenção para alguma outra coisa ao invés de ficar focado nos sintomas que vão surgindo. Pode ser um cenário, uma imagem relaxante que você tenha de pessoas queridas, de algum lugar que conheceu. Manter o foco no sintoma só aumenta as sensações e o medo.
  • Cuide da alimentação: não fique muito tempo sem comer, pois isso pode provocar queda dos níveis de açúcar no sangue e iniciar uma crise de pânico. Também é benéfico restringir a cafeína a, no máximo, quatro cafés ao dia e até as 17h, pois o excesso de cafeína pode provocar insônia e também, isoladamente, precipitar as crises.

Quer saber mais sobre a Síndrome do Pânico e como a psicoterapia pode ajudar quem sofre desse transtorno?

Fale conosco por mensagem ou agende uma conversa pessoal com um psicólogo.

Clique aqui para entrar em contato.

 

neuroplasticidade

Neuroplasticidade

A ideia de colocar nossa intenção em algo e fazer afirmações diárias convergem para a noção de que se temos certeza …

epigenetica

Epigenética

Herdamos traços de nossas famílias de diferentes formas, não apenas na codificação genética. Uma afinidade por música …

foco em exceso

O foco em excesso pode ser prejudicial?

Nossa habilidade de manter o foco de atenção é um importante fator para nossa eficiência e excelência em qualquer área …