Reflexões, dicas e ideias

Este é um espaço para troca de ideias e difusão de conhecimento. Leia, comente e faça sugestões de temas!

relacionamento abusivo

Relacionamento abusivo

O relacionamento abusivo muitas vezes começa de forma sutil e afeta a capacidade da vítima de reconhecer a situação violenta. É a relação que machuca, que fere, emocional ou fisicamente. Nela predomina o excesso de poder sobre o outro, o desejo de controlar o parceiro, de “tê-lo para si”. A pessoa fica presa em um vínculo destrutivo e muito danoso.

Pode acontecer em qualquer relacionamento, seja amizade, família, trabalho. Aqui vou falar somente do amoroso. Para nosso terror e espanto, se fizermos uma busca no Google por “inconformado com o fim do namoro”, nos deparamos com a triste realidade de mulheres assassinadas, sequestradas e agredidas pelos ex-parceiros. Isso ilustra o extremo de onde relações amorosas abusivas podem chegar.

Estas relações podem ser uma armadilha perigosa, porque colocam a pessoa em uma situação difícil de sair, seja por ter se tornado dependente de alguma forma, seja por fazer a pessoa sentir medo ou culpa ou ainda aquela esperança de que ela possa “salvar” o seu namoro ou casamento.

É difícil definir quando um relacionamento é abusivo, e para que você possa reconhecer se sua relação é ou não assim, vou apresentar diversas situações. Algumas são mais sutis, outras extremas, mas o importante é pensar e ver se você se identifica com uma ou algumas delas.

Seu/sua parceiro(a):

  • Tenta colocar você contra seus familiares e amigos?
  • Quer decidir com quem você pode sair e/ou se relacionar?
  • Quer controlar sua roupa e/ou seu Facebook, WhatsApp?
  • Tenta proibir você de falar com pessoas que não gosta ou que são do sexo oposto ao seu?
  • O impede de fazer determinadas coisas mesmo estando longe e/ou o proíbe de fazer coisas das quais você gosta?
  • Quando vocês discordam, você é punido com frieza, com indiferença ou ele/ela faz algo para que você fique desconfortável?
  • Irrita-se quando você toma decisões sem consulta-lo(a), como se devesse isso a ele/ela e não tivesse vontade própria?
  • Usa intimidação ou faz ameaças para conseguir as coisas? Dá-se o direito de desrespeitar você, trata você rudemente – puxa, empurra, belisca, xinga?
  • Faz você se sentir incapaz de tomar decisões?
  • Desincentiva suas realizações e objetivos?
  • É egoísta; as coisas dele/dela sempre são mais importantes do que as suas?
  • Quer que você acredite, ou já te fez acreditar que se vocês terminarem ninguém mais vai te amar?
  • Tenta fazer você sentir que está errado, mesmo quando o erro claramente foi dele/dela, sempre “virando a mesa”?
  • Pressiona você sexualmente para fazer coisas que você não quer ou para as quais não está pronto(a)?
  • Fala que você não é nada sem ele(a)? A chantagem emocional se faz presente, dizendoque precisa de você, que não consegue se separar, mas vive cometendo os mesmos erros.
  • Liga várias vezes ou aparece para se certificar de que você está onde disse que estaria?
  • Faz você passar vergonha na frente dos seus amigos ou família?
  • Já te traiu e coseguiu te convencer que a culpa era sua?

Você:

  • Começou a se sentir diminuído, feio, burro e percebe que sua autoestima é destruída por ele(a) o tempo todo?
  • Sente medo, algumas vezes, de como seu/sua parceiro(a) irá agir?
  • Depois de um tempo nesta relação passou a não saber mais do que gosta, não gosta e se sente dependente do outro, como se estivesse perdido sem a outra pessoa?
  • Cria desculpas constantemente para outras pessoas pelo comportamento de seu/sua parceiro(a)?
  • Acha que, não importando o que você faça, seu/sua parceiro(a) nunca está feliz com você?
  • Mesmo sentindo que precisa terminar, você não tem forças?
  • Era mais feliz, mais seguro antes desta relação e vem ficando cada vez pior?
  • Sempre faz o que seu/sua parceiro(a) quer que você faça em vez do que você quer fazer?

Se você se identificou com algumas destas situações é possível que esteja em uma relação abusiva. É preciso então cuidar do que você pode fazer, caso esteja numa relação assim.

A primeira dica é aceitar que você não muda os outros, mas pode sim mudar a si mesmo. Lembrando que não adianta fazer isso só para agradar o outro.

É preciso aprender a se proteger do abuso e começar a pensar sobre o que te mantem nesta relação e se realmente vale a pena seguir nela.

Se você acha que realmente vale a pena, é preciso estabelecer regras e consequências firmes e claras. O abusador só tem força quando o outro se submete e não questiona. Ele(a) precisa da sua falta de capacidade de reconhecer o abuso para te dominar.

Muitas vezes, tentar mostrar para seu/sua parceiro(a) que ele/ela é abusivo acaba causando mais transtorno, por isso o melhor é modificar suas atitudes ao invés de ficar tentando explicar. Você é quem deve respeitar seus limites em primeiro lugar e não se submeter a nenhum tipo de controle, xingamento e desrespeito. Isso é fundamental para uma mudança efetiva. Colocar estes limites não é tarefa fácil, mas assumir o controle da sua própria vida valerá a pena.

Nunca se esqueça: a culpa não é sua e não caia na ilusão que você tem a “missão” de mudá-lo(a). Também se submeter e se calar não vai melhorar a sua vida, não vai te ajudar a sair de verdade desta situação.

É importante criar espaço para sua individualidade, pois é comum a vítima ter aberto mão (mesmo que aos poucos) da sua liberdade e se tornado cada vez mais prisioneira. Mudar a si mesmo e se tornar independente é não precisar do outro para ser feliz.

O apoio familiar, dos amigos e conhecidos também é essencial, pois no momento em que a vítima vem, principalmente de uma relação desgastada, rompida, é importante criar laços sociais, que a façam sentir segura, ouvida e acolhida.

O autoconhecimento precisa ser desenvolvido, seja sozinho ou acompanhado de um psicólogo que possa ajudar você a se fortalecer e descobrir o que é uma relação saudável. Na maioria das vezes quem vive este tipo de relação desconhece isso, porque o modelo que teve com a família ou com quem fez esta função foi de abuso ou submissão.

Por último não se esqueça de que é importante saber a hora de terminar, pois às vezes não é possível mudar e salvar a relação enquanto o casal estiver junto e ambos devem procurar ajuda.

 

Sobre o mesmo tema, clique aqui para assistir ao vídeo “Não tira o batom vermelho”, da Jout Jout, no YouTube.

Write a Comment

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Êxtase

Estar em êxtase é se encontrar transportado para fora de si e do mundo sensível. Este estado pode ser gerado por uma exaltação …

neuroplasticidade

Neuroplasticidade

A ideia de colocar nossa intenção em algo e fazer afirmações diárias convergem para a noção de que se temos certeza …

epigenetica

Epigenética

Herdamos traços de nossas famílias de diferentes formas, não apenas na codificação genética. Uma afinidade por música …